Como o método Kaiut Yoga devolveu a mobilidade do meu ombro

19 mar 19

O método me ensinou a lidar com a dor e agora posso voltar a fazer as atividades de que tanto gosto

 

Em algum momento, todos nós experienciamos algum tipo de dor, seja ela física ou emocional. É algo que conecta todos nós como seres humanos. E, como humanos, faz parte da nossa natureza sentir.

 

Em nossas vidas modernas, sentir é algo que vem sendo negligenciado e não desenvolvido em nosso sistema nervoso. A culpa não é inteiramente nossa. Isso é resultado do mundo que vivemos hoje, onde fomos condicionados a entender os sentimentos como uma franqueza ou como algo desconfortável demais de se lidar.

 

Nesses 18 meses estudando o método Kaiut Yoga, minha perspectiva sobre os sentimentos têm mudado completamente. Depois de uma cirurgia de reconstrução total do ombro direito aos 13 anos, os médicos disseram que eu não teria plena força e movimentação novamente. Aos 19 anos, desenvolvi  artrite na articulação do ombro com dores paralisantes quando jogava tênis ou levantava pesos. Qualquer coisa que estimulasse a área do ombro criava uma dor intensa.

 

Então, eu parei de jogar tênis e de fazer academia. Eu não deveria ter desistido nunca. Eu não via nenhuma opção além de parar de fazer as coisas que me causavam dor e aceitar que meu ombro não me permitiria ser ativo como antes. Eu não sabia, mas poderia fazer algo para continuar a realizar as atividades que amo, algo simples, como o yoga. Às vezes sair da zona de conforto é exatamente do que você precisa para chegar aonde você quer ou para continuar fazendo o que você ama, por mais tempo.

 

Então, com 20 anos, eu conheci o Kaiut Yoga e meu relacionamento de amor e ódio com o método começou. Todas as posições doíam. Toda sensação era sentida como dor, não porque eu iria machucar meu corpo, mas porque meu cérebro estava programado para interpretar todo desconforto corporal como dor. Essa dor se tornou uma reação emocional que se transformou em medo.

 

Com o tempo, meu cérebro começou a ler essas sensações de uma maneira diferente e meu corpo começou a mudar. A “dor” ainda estava presente, mas aos poucos se tornou um ponto de referência que me permitiu reconquistar a mobilidade e total funcionalidade do meu ombro. Tudo isso sem sensações insuportáveis ou medo e reações emocionais conectadas com fortes sensações corporais.

 

As sensações deram ao meu ombro a mesma liberdade que eu tinha antes da cirurgia. Algumas posições que têm como objetivo alcançar a articulação do ombro ainda são as mais difíceis para mim, porém são as que eu tenho que fazer diariamente para manter meu ombro saudável e no seu potencial máximo. Minha jornada com esse método tem me proporcionado negativar vários desconfortos da vida, como também tem me ensinado a seguir a vida sem evitar a dor ou sensações corporais fortes. E, ainda melhor, permitindo que essa sensação me ofereça algo em troca. O sentimento verdadeiro, a dor e as sensações têm sido meus melhores professores. Preste atenção e aprenda com isso.

 

Jackson Raymond
Professor Kaiut Yoga – Boulder/Curitiba